domingo, 2 de dezembro de 2012

SEM JEITO


Queria subir a tua rua 
Ver te ali toda nua 
Esperando meu toque 
Como pluma deslizo 

Teu jardim 

Quero sentir todo teu cheiro 
Lhe segurar pelo coc do cabelo 
Passar a barba do arrepio 
Tirar lhe todos suspiros 
Em teu ouvido 
 Sussurrando poesias 

Despindo seus seios 
 Girando o dedo 
Com desajeito 
Entrar nos eixos 

Nossas línguas enroladas 
Nossas pernas enlaçadas 
Nós nos sentindo 
Chegando ao paraíso

Nenhum comentário:

Postar um comentário