domingo, 20 de maio de 2012

Uma Razão



Construí uma nação sem intenção 
De que essa se tornasse em corrupção.
Quis toda minha benignidade espelhada 
Nas faces de uma humanidade.


Mas a desventura de ser livre corrompeu 
Até mesmo aquele que me prometeu fidelidade. 
Não imaginara que um presente 
Viria ser, tornasse, como uma dês graça. 


Vi em tuas alegrias e tristezas
Que nunca pudera compreender
A razão simples que seria viver. 


Perdeu-se minha essência, 
Escolhestes viver em imundícies 
Que a serpente lançara-te pra tentação
E enganados, vivem de ilusões.


Nenhum comentário:

Postar um comentário