domingo, 12 de janeiro de 2014

A verdade é que as pessoas que mais se acham cheias 
Estão mais vazias do que nunca, não mais nem menos do que eu 
Quem sou para ser uma balança e pesar os sentidos 
Mas me deparo com pessoas o tempo todo 
Dizendo-me faça isso e faça aquilo 
E elas não sabem o que estão fazendo

Estão falando em dar olhos aos cegos 
Enquanto não estão se ouvindo 
Falam em dar audição 
Mas estão todos sem sentindo 
Caminhando todos para parar 
No mesmo abismo 

O que é isso
No que me transformará depois
Será uma evolução anti horário
Será o horário que venceu
Será meu fim mesmo amigo

Estou com pressa, não demore o tempo voa 
Eu me esvaio de tanta vaia e vou 
Não sei para aonde, não sei que lugar terei lá 
Mas vou me desfazer, quem sabe lá te encontrarei 
Sem dor  


Nenhum comentário:

Postar um comentário