domingo, 2 de dezembro de 2012

Cansado e abatido por descaso 
ao que habita as ilusões destrutivas 
o amor inexistente ao vago no peito 
o pensamento aflorando maligno 
ouvidos e olhos de s torcidos 
sentidos intensos 

a tortura abandono o mel sem saciar 
a embriagues sem razão a pura enganação 
o de s amparo a arte o roubo de s cara do 
o nobre pobre o pobre nobre o lampejo e relâmpagos

trovões e deuses absurdos ocultos 
a mentira sustentada por todo canto 
sendo tendo todo de s encanto 
por cantar a tristeza de não padecer 
o coração o agora ficar nulo 
a sociedade alternativa 
os rebeldes sem causas 
o mal que não aparto 

a obrigação de palmas o dever se cumprir 
a alma invalida já corrompida o esforço a tentativa 
o infarto o farto o dia a dia condenado a imunidade baixa 
a lux o escuro o tempo a criação 

a condenação a verdade perdida junto com a fé abalada 
a pressão alta o remédio que não cura 
a tua vontade de viver mesmo assim 
o não questionar o desespero por partir 
o verão que termina a lua o sol a morte 
o findar a derrota as cartas guardadas 
as fotos escondidas o reiniciar 
o filme repetido o livro de s creditado 
ao falecido a maquina o homem o teu nome em tudo 

a lagrima o sentido a construção o dedilhar 
a discórdia a incoerência a certa ausência 
o passado que não volta e não muda 
a premonição absurda a duvida o inventor 
o solitário a solitária o amor a desistência 

o natural o cumprir a palavra o destino 
a essência a falta a saudade a espera 
a criança o pai a mãe o filho

Nenhum comentário:

Postar um comentário