quinta-feira, 20 de setembro de 2012

O Que Me Resta

Difícil não arremeter ao passado 
Diante contextos de leituras e filmes 
Com nossas histórias mascaradas

Sinto Menos Que Nada 
Que talvez vou me perder 
No meio desta estrada 
Sem ti, não tem nada

Figuro um destino com paixões 
Tentativas de momentos alegres
Com artifícios de todos os tipos 
Até quando serás tentativas invalidas

Não vou me negar a uma nova história,
Mas será que uma nova
Irá conseguir mudar minha trajetória
Ou o que me resta é um sanatório

Vejo tantos futuros,
Mas nenhum fruto pra mim vingara 
Paixões perdidas por sua causa 
Não consigo estabelecer contato 

Tudo me trás você, 
Qualquer poesia 
Nem volto a ler as minhas 
Pois tanto delas você está 

"Mulher Desgraçada!"  

Porque me deixaste assim,
No meio da estrada
Minha dor aumenta o silencio 
Talvez daqui a pouco me cale

Nunca mais voltarás a me ver
Normal 
Sem sentir-se culpada




Assistindo filme nacional Menos Que Nada





Nenhum comentário:

Postar um comentário