quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Sábia Verdade

Vida variável
Penetra na carne o dente afiado
Extrai da matéria tempo
Para seu próprio sofrimento.

Da virtude o que invade envenena
Apercebido de que se torna arrogante
Sem saber o rei deu mel em demasia
Suas partes estão separadas.

Cabeças embrulhadas em papeis
Sobre a mesa vestígios perdidos
De um tempo onde um ciclo girava
Não é lembrado o caminho.

Cada laço desatado
Uma mente sem mentiras criada
Alcançando inocência
E boas palavras sobre ti.

Porque, falar ao redor, as crianças
Falam!
São varias linhas essa onda que invade
Sua mente, sabe, mas não sabe dizer.
O que é isso?

Estamos pedindo socorro
Essas ondas de informações estão sobrecarregando,
O sistema todo está te matando!

Um comentário: