terça-feira, 24 de julho de 2012

Partir

Apenas sem dispostos para comunicar
Qual quer palavra foi solta ao pé da letra renunciar
Apenas sem dispostos a ser sociável
Falando comigo mesmo já's sou sociável

Não posso derribar a vida sem propósito
O que quer ela de mim, o que queria eu dela?
Não vou medir esforços, mas confesso sou...
O que posso ser, querendo vem querer eu ser quem,
Nessa nossa vida de ninguém?

Não seria talvez mais fácil entregar se a morte?

Não poderia eu deixar de ficar, jogar uma chance de ser um...
Hidrante com certeza é o grande salvador,
Logo posto momento continuara sendo,
Sem saber, todos sabem, lá se passa,
Grande coisa, isso tudo é o inferno?

Que grande jogada da vida atreveu-me
Saber que vive em desconforto com seu próprio viver,
Será que esses momentos não são somente
Momentos, parecem eternos quando visto do alto.

Vivemos na perca, na tristeza, na violência, na miséria...
Quer alguém dar continuidade por mim?

Não há serafins que homem de verdade confesse a ver,
Não digo para enfrentar, mas a mim mostra-me também a luz
Pois então, confessarei ao rei quer for, por minhas blasfêmias.

Quero também sentir esse amor que penetram lhe a carne
Desfazem-te em vinho e dão as tuas mulheres coisas.
Hora, quem serão as noivas desse meu fim?

Sem sorriso, sem horas,
Por entre lama e poeira
Meu fim seria alivio,
Mas não me entrego
Se não for a ti.
Bela flor,
Flor do Iris,
Dentre mil braços
E abraços,
Desfaço-me
Sendo apenas da terra
Poeira e lama.

Não! Espere um instante, Não quero meu fim.

Tal logo quem espera por mim,
Ninguém,
Não quero.
Preciso ficar sozinho!

Quem sabe alguma gravata
o conduziria a uma vida pacata,
cheia de graça, ouro e praga.

Encarando o sistema, sem poema, sem dó...
Mas como, se sou só o pó e a lama que a tanta a terra ama.

Vejo pais nas igrejas e suas crianças fazendo besteiras,
Seus filhos sem regras, jogados por ai a fora,
Por portas que não se abrem, se fecham, na cara de todos que estão se perdendo.
Não entendo! Cadê esse amor que tantos andam por ai a dizer?

Não se preocupe se quiser parar de perder tempo, essa é a hora.

Muitos dizem a respeito meu, ao seu também, mas nos convêm
Ficar em silêncio, não queremos que saibam, não é?

Quando acenei pela primeira vez, o barco já estava de partida.
Havia belas donzelas, se com ironia digo, poderia fazer disso qualquer terapia.
Não estava acostumado com a falta de historias por falar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário