quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Obsessão Não

As vezes penso...

Será melhor a morte,
Do que a vida,
Talvez... Quem sabe...
O fim não seja a saída?

Talvez seja entrada para o novo
Tão logo me concedo o desejo
De querer sem pressa
Abrir todas janelas

Desesperado correr pela estrada
Desconhecida... 
            Boa alternativa
Para ingratos, como o caso
           Da obsessão, 

Estou farto!

Outrora chamava amor,
Agora reconheço que mudou.
Novamente bato de cara
No erro provável que cometi.

Tranquei-me no escuro,
         Com medo,
Tudo de novo voltou 
            E me perdi...

Não entendia porquê,
Mas parecia te ouvir.

Não sei d'onde vem essa voz,
Tão doce e macia...
      Conduzia-me,
Deixei-me... 
          No controle...

Acreditava que a espera
Fosse o melhor,
Até fora,
Dentro de você me vi...

Engolido por argumentos diretos, 
                Cheios de direitos,
Corrompendo a direita e esquerda.
             No centro Apocalipse.

Obsessão pegou-me,
Entendi que persigo
O negativo a mim...

Que me faz bem,
Faz bem,
faças o bem.    




                                                       26, Setembro, 2011, pt, sp, 9:20pm. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário