terça-feira, 30 de agosto de 2011

Sou


Sou apenas o que sou,
Apenas sou...


Escritor ao acaso,
Operário por descaso meu.
Aventureiro de um destino ilusório,
Palhaço das infinitas ilusões.
Em tudo uma negação, uma duvida,
Um anseio e por fim...
A verdade estampada na cara,
A enganação da própria alma.
Nego todo dia para liberdade.
Sufoco dentro de mim conflitos aflitos
A me estagnar.
Construir caminhos sem perceber,
Seguir, apenas seguir fazendo acontecer.
A cada passo movendo mundos, criando opções...
Sucesso no que a maior honra há de ter.

Um comentário: