domingo, 14 de agosto de 2011

Insanidade? Perguntas apenas perguntas...

Será isso Deus ou o diabo?


Quem são esses personagens que vós criaste 
Com liberdade de imaginação e pequenas doses
Euforia, histerismo e controle sobre o que não se controla.
Sendo apenas controlado, sem saber que nada tem controle
E que nada controla a si mesmo, controlando ao seu ser.


Ilusões, percepções, imaginações e tudo se acham no nada.
Nada. Achando apenas o que deve ser quem não acha,
Porque quem acha não tem certeza daquilo que é.


Agora água bate nas horas que se demonstram vencer.
Tudo tem, tudo vai...
Não tem sentido, a bússola aponta para aquele lugar...


Que lugar está?
Você viu?
Onde está?
Que é tudo isso aqui?


Não tenho vontade a morte, pois, não me convêm.
De repente brincar por aqui possa ser ousadia...
Você já se perde sem saber quem fala.


Então porque ainda se contenta?
Contenta-se?
Devora-me,
Perca!


O que não é um jogo,
Nem uma guerra,
Batalha...
Ou qualquer coisa do gênero...


Saiu em espírito procurando saber o que sou,
Por isso haverá de calar, para que não padeça
Em insanidade, já padecendo...


Não declarada confissão, mas descrita por vil. 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário