quinta-feira, 14 de julho de 2011

Segue por pensar

Criaturas que o habitam. 
Vozes que não findam. 
Gritos que não se escutam. 
Gemidos que sente ao todo.
Forças esvaecidas. 
Momentos de contentamento 
Descontente pairando sobre gente.
Não há como negar o desespero. 
Sepulcro da língua em mesmo repertório,
Argumentos disparados com Browning . 50
Que nada aparenta atingir.
Em máximo atrai algum sorriso, 
Mas não é só disso preciso.
Duvidas no semblante não quer ver.
Afinal culpa quem tem por ser assim?
E como lutar sem ser inconveniente?
A cada dia se corre um novo risco...
   
  

Nenhum comentário:

Postar um comentário