segunda-feira, 11 de julho de 2011

Refugio


Quisera algum dia cavar um poço
O quanto tanto pudesse fundo.
Quisera no mesmo se guardar
De todos os horrores por si ditos.
Quisera nele de tudo fugir.
Fugir de sua própria existência,
Aterrorizado com sua representação
Diante de tantos pensamentos imundos.
Ao que tudo indica ser essa existência
A culpada por mau e nada ser.
Em todas as influencias recebidas
Longa e lenta absorção que o moldou
A forma do "mestre"

Ao qual segue sem haver o
Querer de seguir qualquer...
Transformação desde as entranhas inicias
Derramando o vinho sagrado em sua criação.
Causador dos estigmas presente
No que chama de espírito.
Quão forte dom opressor que não o liberta.
Apresenta belos sorrisos e um mar de
Falsas esperanças de um lar saudável.
Corrompe ao próximo por um segundo,
Para dele resguardar sua cria.
Maldita sensação de que não adianta
Nem mesmo da morte se compadecer.
Somente se jogar no fundo poço e de
Todos os maus desejos se esconder.

Nenhum comentário:

Postar um comentário