segunda-feira, 18 de julho de 2011

Falo, falo sem parar...

Falo, falo sem parar...
Porque minha alma inquieta,
Alavanca-me com grande impulso,
Para o mais glorioso entender.
Me solto conduzido por sinais
Jamais sentidos.
Cenas de acontecimentos que não
Estrelam em filmes.
Veja ao que dispostos estão
Procurando uma solução cabível,
Mas quem se encarrega é o tempo.
Dono da verdade em que se rende.
Declino-me ao florescer da magia,
Em alegria surge cheia de vida.
Escolho os melhores dizeres para
Em seu belo coração fixar.
Falo, falo sem parar...
Falo porque em espera tenho pressa,
Esses ponteiros que não se movem
Enlouquecem-me...
Adianto-me na intenção de tão logo
Ter braços e mãos tocando os meus,
Línguas e lábios entrelaçando-se
Fazendo esquecer-se em corpo vibrante.
Falo, falo sem para...

Nenhum comentário:

Postar um comentário